Segunda-feira, 31 de Julho de 2006

Sonhos Urbanos

Em sonhos vi uma espada cuja beleza e presença ficaram marcadas no meu espírito, estava enterrada numa terra de cor de barro. No mesmo sonho fui apresentado a uma mulher de cabelos castanhos, ela olhou através de mim, passou pelo que mostro ao mundo e tocou na parte que mais escondo. Acordei.

De frente para um espelho tratei da barba de 5 dias, lavei os dentes e ensaiei uma expressão facial mais animada. Depois do duche, e com a ajuda de um punhal afiado, cravei umas runas na minha carne evocando um antigo feitiço que aprendi na adolescência, feitiço este para atrair boas energias e protecção no início de uma nova jornada.

A caminho do trabalho, em pleno autocarro, só pensava na mulher de cabelos castanhos, em que pensou ela quando tocou na minha matéria mais escondida? Sei que os sonhos têm a sua própria existência e textura, não são apenas imagens de um cérebro que descansa; são símbolos poderosos como as runas que tenho na minha carne. Quando se vive a par com os nossos sonhos mergulhamos na mais pura complexidade da realidade, deixamos de viver para ganhar dinheiro ou para nos reproduzirmos, passamos a viver com uma diferente profundidade.

A mulher de cabelos castanhos mexeu comigo, porque atraem-me as pessoas que nos conseguem ver para além das nossas superficialidades, às quais não precisamos de mostrar a nossa podridão ou as nossas virtudes porque elas sabem que lá estão. Essas pessoas não esperam mais de nós a não ser o que podemos dar, e assim poderemos simplesmente maravilhá-las com a nossa magia espontânea. E, claro, mulheres são mesmo o meu ponto fraco. Procurá-la tornou-se numa meta a atingir, saber o que achou do que viu e tentar ver através do seu espírito, de forma a dar a segurança que estou ao nível dela. Ou talvez apenas para viver um momento romântico e ter um boa história para contar quando for velho.

E o que significa a espada? Garanto que desta vez não se refere a um objecto mas a um juramento, sei-o por intuição. Quem somos deriva das opções que fazemos e as opções que faço equilibram-se numa filosofia representada por aquela espada. Não vos cansarei a mente com pormenores acerca dessa filosofia, pelo menos, por hoje, apenas vos direi que como no sonho, está enterrada numa terra cor de barro e que esta terra se chama rotina e está cercada por prédios de betão e outros membros do ambiente urbano.

Felizmente, ao longo do dia consigo erguer a espada e viver o seu caminho, não sempre mas com a prática está a ser mais fácil, o truque é não deixar a espada ficar enterrada.
Uma criação de Jorge às 11:57
Link do Post | Comentar |
Sexta-feira, 28 de Julho de 2006

Clivagem mental

Caminhar ao Sol, derreter com o calor, idealizar uma garrafa de água ou um copo de limonada. Os pensamentos correm soltos como se fugissem de um obscuro pesadelo, ao longe ouço o barulho de umas obras. (Tenho fome)

Finalmente chego a uma sombra e ali fico, um Oásis do qual não quero sair. Sei que o deserto espera por mim, de novo. Sinto-me isolado do mundo, num ilhéu existencial, com pensamentos divididos e descontínuos. Febril de novos projectos,à rasca do meu pé, apetece-me fugir para o dia de amanhã (ou será no seguinte?).

Estas teclas estão a tomar conta de mim, tratam-me bem e insistem que volte a tocar nelas para construir novas frases. Raio de calor que estou a sentir... E a fome? Bolas, tenho mesmo que sair daqui e resolver a situação.

Aqui vou eu em direcção ao fim do mundo!
Uma criação de Jorge às 11:28
Link do Post | Comentar |
Quinta-feira, 27 de Julho de 2006

Dia calmo onde deu para pensar na vida e na morte da bezerra

sock monkey
Uma criação de Jorge às 14:44
Link do Post | Comentar |
Quarta-feira, 26 de Julho de 2006

Podridão nas finanças (ou o dia em que saí da cova)

Fui enterrado vivo algures em Janeiro, lembro-me das conversas que mantive com alguns vermes (nem todos são má gente). Não querendo generalizar muito, há três tipos de vermes: os ratos de biblioteca, os auto-eróticos e os conversadores. Prefiro estes últimos, os temas de conversa são muito variados (desde jardinagem a astrofísica).

A humidade debaixo da terra não me faz muito bem aos ossos e a falta de contacto com outros seres humanos é muito reduzida (se ainda fosse uma vala comum...), mas o que realmente me fez sair da cova foi a fome, ai que fomeca com que estava que estraguei a campa toda (rosas, jarros e orquídeas espalhadas sem preocupação estética).

Alguns dos meus bens materiais já tinham sido enviado para umas crianças em África e a minha namorada já tinha afogado as mágoas com 13 homens diferentes. Mal eu sabia do problema principal: as finanças.

Explicar nas finanças que fora enterrado vivo foi uma complicação, mais depressa convencia-os que há 2000 anos atrás uma pessoa tinha ressuscitado e que era o filho de Deus.

Recebi de um tal de Vilar uma papelada com legislação, sem pachorra para aquilo mostrei-lhe o meu sorriso Pepsodent (depois de estar a viver debaixo da cova a higiene oral assumiu novas dimensões). E assim continuo a minha vida, de relações cortadas com a burocracia financeira... e a cabeça do Vilar pendurada na minha sala (que bem que fica, junto ao jarro de flores).
Uma criação de Jorge às 13:43
Link do Post | Comentar |
Terça-feira, 25 de Julho de 2006

A caminho de um sítio qualquer

O bom das viagens é que provocam sempre alguma alteração em nós, nenhuma pessoa fica indiferente ao caminho que faz para chegar a algum local. Seja o caminho para o trabalho, a estrada para Meca ou o atalho no bosque que conduz ao Mundo das fadas, é sempre um espaço em que estamos vulneráveis a estímulos não previsiveis e como animais ficamos atentos e prontos a uma adaptação ao meio.

Que alterações é que esta viagem trará aos meus dias? Se estou aqui é por opção, aguardo algum resultado.

Uma criação de Jorge às 09:05
Link do Post | Comentar |
Segunda-feira, 24 de Julho de 2006

First blood…

O cheiro da estação de comboio não deixa dúvidas sobre a sua idade, na bilheteira comprei o tão desejado bilhete. O dinheiro só me permitiu comprar de ida, a volta fica para uma melhor possibilidade. O destino é o fim do mundo.
Fim do mundo... lembra-me da promessa que fizemos, iriamos estar juntos até ao fim do mundo. A verdade é que ainda não chegamos ao fim do mundo e já não estamos juntos.
Perguntei em que linha teria que apanhar o comboio correcto, não tive que esperar muito por ele e nem precisei que alguém me respondesse.
Antes de começar a viagem olhei para o céu e vi uma estrela cadente, sempre tive jeito para as apanhar no meu campo de visão.
Uma criação de Jorge às 14:08
Link do Post | Comentar |
badge

subscrever feeds

Ideias Recentes

There are four Walt Disne...

...

Hora de Hibernar

Body Balance

Finalmente uma data...

Em Forma...

2 canções de (quase) Amor

Bla Bla Bla... Espera iss...

Simples, não d&aac...

Google Chrome

Categorias

bem-estar(1)

blogue(24)

bushido(43)

caminha(1)

empresa(9)

férias(2)

ficção(10)

filmes(9)

humor(10)

livros(12)

mac(4)

midnight(2)

minho(3)

música(4)

podcast(2)

sapo(2)

séries(4)

vida social(54)

wii(2)

wow(8)

todas as tags

Links

Material Fora de Cena

Julho 2011

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Pesquisar neste Blog

 
blogs SAPO